Degeneração Macular Relacionada à Idade (DMRI)

10/03/2016 | Artigos

A mácula é a região central da retina responsável pela visão de detalhes, como leitura, reconhecimento das pessoas, visão de cores. Quando a mácula não funciona corretamente, a visão central é afetada com borramento, manchas escuras e visão distorcida.

A degeneração macular afeta sua habilidade de enxergar para perto e longe, e pode dificultar ou impedir atividades como leitura, direção de automóveis, tricô, entre outras. Embora a degeneração macular reduza a visão na parte central da retina, normalmente a visão periférica não está comprometida.

Por exemplo, você pode enxergar um relógio mas não consegue ver que horas são. A degeneração macular não leva a uma cegueira completa. Muitas pessoas acima dos 60 anos desenvolvem degeneração macular como um processo de envelhecimento da retina.

Existem componentes genéticos e ambientais na causa da degeneração macular. Pessoas com história familiar, hipertensão arterial, aumento do colesterol, fumantes e com grande exposição ao sol parecem ter mais chance de aparecimento da doença.

Degeneração Macular Forma Seca ou Atrófica

A grande maioria das degenerações maculares relacionada à idade são da forma seca. A causa é a atrofia de camadas internas da retina. A perda visual é lenta, e na maioria dos casos não muito severa.

Drusas são depósitos embaixo da retina, que variam em número e tamanho. Drusas muito grandes e confluentes são sinais de risco aumentado para a forma avançada da doença seca e aparecimento da degeneração macular forma úmida ou exsudava.

Degeneração Macular Forma Umida ou Exsudativa

A forma úmida ou exsudava aparece na minoria dos casos de degeneração macular. Ela acontece quando novos vasos sanguíneos anormais crescem embaixo da retina. Esses vasos forma uma membrana neovascular que extravasa líquido e sangue e leva a piora da visão central.

A perda visual pode ser rápida e severa. Casos da forma úmida normalmente aparecem em pacientes que já tem diagnóstico da forma seca, sendo necessário o acompanhamento frequente desses pacientes. O diagnóstico da degeneração macular é feito após o paciente relatar problemas como manchas na visão central, piora da visão e distorção de imagens.

O exame de fundo de olho feito pelo oftalmologista, assim como exames complementares de Angiofluoresceinografia e Tomografia de Coerência Optica (OCT) , fazem o diagnóstico e classificam o tipo de degeneração macular. A tela de Amsler é um teste simples que pode ser feito em casa pelo paciente. Serve para acompanhar pacientes com diagnóstico de degeneração macular.

Para imprimir uma tela de Amsler, clique abaixo:

Download da Tela de Amsler
Tratamento da Degeneração Macular

Complexos vitamínicos com vitaminas C, E, beta caroteno e zinco podem reduzir em até 25% as chances do paciente desenvolver a forma avançada da degeneração macular. Para os pacientes que não tem sinais de degeneração macular, ou casos muito iniciais, não houve benefício na utilização desses suplementos.
E importante saber que suplementos vitamínicos não são a cura para a degeneração macular, nem possibilitam uma melhora na visão de quem já tem a doença.

As injeções intravítreas de medicações (tratamento quimioterápico com antiangiogênico) são o tratamento de escolha para os casos de degeneração macular relacionada à idade forma úmida. Não significam uma cura da doença, mas sim uma grande possibilidade de se manter a visão e impedir o avanço. O tratamento pode durar por muitos anos, e o número de aplicações depende da necessidade de cada paciente.

As injeções intravítreas são procedimentos realizados com todo o cuidado asséptico de uma pequena cirurgia. A anestesia é local na grande maioria dos casos, sendo um procedimento praticamente indolor ao paciente. Algum desconforto pós-operatório pode ser causado pelo uso dos colírios durante o preparo.

 

 Dr. Luiz Eduardo de Aguiar Marques é Médico Oftamologista Especializado em Retina e Vítreo. Instrutor Clínico e Cirúrgico. Orientador Cirúrgico na Escola Paulista de Medicina (2007). Membro do Academia Americana de Oftalmologia Saiba mais!